PÁGINA ABERTA

Laurinda Hoygaard: "A BOA GOVERNAÇÃO É DECISIVA PARA UM PAÍS"

A conceituada economista Laurinda Hoygaard analisa a situação económica do país, realçando a necessidade de uma governação mais inclusiva e participativa que tenha em conta as prioridades do país. Quanto à assistência que estamos a receber do Fundo Monetário Internacional considera positiva e necessária, frisando que vai aumentar a confiança na economia e promover o desenvolvimento

 

ECONOMIA&NEGÓCIOS

IVA:QUEM PAGA,COMO E PORQUÊ?

Os objectivos do sistema tributário continuam a ser os enunciados pelos clássicos da teoria económica - em que a administração deve garantir a equidade e a justiça distributiva, de forma a criar uma sociedade mais justa, fomentando a actividade económica. Este corolário deve ser hoje perseguido, respeitando princípios de eficiência e eficácia da administração pública, que por via do design de políticas, programas e instrumentos de gestão, deve garantir o maior resultado em termos qualitativos e quantitativos, com o menor custo para o contribuinte

 

MUNDO

BRASIL: A IMPROVÁVEL QUEDA DO BNDS

Na primeira quinzena do mês de Junho, a maior parte dos analistas políticos e os próprios actores da cena política pareciam bastante preocupados em decifrar o “modus operandi” do governo Bolsonaro. Afinal, não era prá menos! Ao longo de poucos dias, o capitão havia exonerado 3 generais que ele mesmo tinha nomeado para cargos estratégicos no primeiro escalão da Esplanada.

............................................................

 

 

PONTO DE ORDEM 

NÃO AO TERRORISMO!!

Ao discursar na  73ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, realizada em Nova Iorque (EUA), a 26 de Setembro de 2018, o Presidente da República de Angola chamou atenção à ONU para que assuma o seu dever da promoção da paz, numa altura em que existe uma configuração política do mundo contemporâneo, no qual os conflitos locais, regionais e intra-estatais representam os principais focos de tensão internacional e de ameaça à paz.

 

Anteriores:

RECADO SOCIAL

UM CONGRESSO "CHATO" E INDIGESTO

Para alguns, o VII Congresso Extraordinário foi mesmo uma realização "inoportuna" e sem qualquer interesse político que vincasse, uma vez mais, o facto de que só devia ser do Comité Central partido quem viesse de trás, dos tempos em que  devia ser do partido quem merecesse e não quem quisesse. E de repente, muitas caras novas, jovens  com atitude, muito bem formados, grande parte dos quais no estrangeiro e alguns até "pescados" de partidos políticos adversários. 

  

Anteriores: 

  

NOTAS DE IMPRENSA

ALGUMAS JÁ REEMBOLSARAM, OUTRAS FORAM ARRESTADAS... GOVERNO OBRIGA EMPRESAS A PAGAR FINANCIAMENTOS

A Procuradoria-Geral da República (PGR) angolana, através da Serviço Nacional de Recuperação de Activos, identificou sete empresas privadas criadas com financiamentos do Estado angolano, que até à presente data não foram ainda reembolsados, tendo sido determinado o arresto de três delas.Entre as empresas que tinham (ou tiveram) dívidas ao Estado angolano, estava a Lektron Capital, de Manuel Vicente, antigo vice-Presidente de Angola.

Figuras de Lá

HENRY ROTICH 

MINISTRO CORRUPTO

Figuras de Lá

JACOB ZUMA

AMEAÇAS DE MORTE?

Figuras de Lá

JÔ SOARES 

ATAQUE COM HUMOR 

Figuras de Lá

ABEL XAVIER

DESAIRE E ABANDONO

Figuras de Lá

CIPRIANO CASSAMÁ

CANDIDATO À P.R.

 

Figuras de Lá

TRUMP E BORIS

ALIADOS ESTRATÉGICOS

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital