DESPORTO

 
17 de March 2021 - às 17:06

TOMÁS FARIA JÁ DEFINIU OBJECTIVO PETRO 'ENCAIXA' 500 MIL DÓLARES NA LIGA DOS CAMPEÕES DA CAF

1º de Agosto e Bravos do Maquis ficaram pelo caminho, após serem eliminados pelos respectivos adversários. Já o Sagrada Esperança desistiu alegando questões sanitárias, referentes à Covid-19

 

A entrada na fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, permitiu ao Petro de Luanda "engordar" a conta bancária de forma significativa. Os tricolores embolsaram a quantia de USD 500.000, 00 (quinhentos mil dólares norte-americanos).
A receita angariada pelo "embaixador" angolano na Champions da CAF pode crescer, ainda mais, caso seja capaz de manter a senda dos triunfos durante a disputa da competição milionária de clubes no Grupo C. Ou seja, por cada vitória durante a disputa da fase de grupos, Petro deve encaixar 100 mil dólares, ao passo que em caso de empate, embolsa metade deste valor.
O "ataque" aos milhões da Liga dos Campeões Africanos, pode render muito mais aos cofres do único "sobrevivente" angolano na competição africana, se atingir à final da competição.
Uma eventual presença nos quartos-de-final, permitiria a Petro embolsar 650 mil dólares cada. Já em caso de qualificação à meia-final, o feito significaria o encaixe de 800 mil, ao passo que a presença na final valeria um prémio de um milhão e 250 mil. Em caso de conquista do título, o embaixador angolano ganharia uma receita de dois milhões e 500 mil dólares.
O facto é que a nova tabela de prémios, recentemente divulgada pela CAF, tornou a competição milionária muito mais atractiva e interessante, do que há três anos. O aumento das cifras, resultou da assinatura de um novo contrato de patrocínio com a empresa francesa de petróleo TOTAL, válido para oito anos, supostamente avaliada em mais de um bilião de dólares.
O 1º de Agosto já teve a oportunidade de gozar deste novo modelo de premiação da CAF, quando em 2018, na sua última presença na fase de grupos da Liga milionária de clubes, chegou à meia-final da prova, tendo sido eliminado pelo Esperance de Tunis, num jogo de triste memória. Nessa altura, os campeões angolanos embolsaram 650 mil dólares americanos.
Nem por isso a boa recompensa financeira amealhada pelos militares na anterior participação na competição africana, serviu de motivação para a busca dos novos louros, que o permitiria enriquecer a conta bancária e o alcance de objectivos cada vez mais ambiciosos. A eliminação prematura nas eliminatórias foi um duro golpe aos desafios apontados pelo presidente Carlos Hendrick. O estatuto de grande, a julgar pela isenção da primeira eliminatória, ficou diluído na maturidade de um Kaizer Chiefs, impiedoso no momento de sancionar o esbanjamento dos donos da cas
Para a presente disputa das competições africanas de clubes (Liga dos Campeões e Taça da Confederação) a CAF colocou à disposição quatro milhões e 500 mil dólares, contra os três milhões oferecidos em 2016.
Há quatro anos, o vencedor da “Champions” recebia apenas 950 mil dólares, o finalista vencido levava para casa 665 mil, enquanto o semi-finalista recebia 427.500 mil dólares.
Contudo, o dinheiro disponibilizado pela CAF aos clubes africanos, ainda pode ser considerada uma "gota no oceano", se comparado com a quantia oferecida pela UEFA. O finalista vencido da UEFA “Champions League” recebe três milhões e 800 mil euros.
O campeão tem um prémio no valor de seis milhões e 400 mil euros, enquanto quem não se qualifica para a Champions ou a Taça UEFA recebe 160 mil euros, um valor aproximado ao do finalista vencida da Taça da Confederação, prova africana, cujo troféu chama-se Nelson Mandela.
Um dos pressupostos que está na base desta diferença do prémio monetário, prende-se com o valor que os canais de televisão pagam para transmitir os jogos da UEFA Champions League e a Liga de Clubes Campeões Africanos, a par dos patrocinadores.

 

PETRO QUER VENCER O SEU GRUPO

A conquista do primeiro lugar do grupo C da Liga dos Campeões de África é a meta traçada pelo presidente do Petro de Luanda, Tomás Faria. Em declarações à imprensa, reagindo à qualificação à fase de grupos, o homem máximo dos tricolores deixou claro o objectivo da equipa lutar pelos oito melhores lugares do pódio.
"Temos de lutar para ficar entre as oito melhores equipas, não podemos pensar em outra coisa a não ser vencer esse grupo. Teoricamente somos inferiores, mas vai ganhar aquele que melhor trabalhar, então vamos vencer o grupo", disse.
O presidente do Petro garantiu, por outro lado, que o clube tem todas as condições financeiras preparadas, para permanecer na prova até ao fim, uma vez que é uma competição com retornos garantidos.
"Nesta fase, tem muito dinheiro em jogo, conseguimos arrecadar quinhentos mil dólares, cuja metade desse dinheiro será distribuído para os atletas e equipa técnica, outros cinquenta por cento ficarão para o clube fazer a sua gestão. garanto que temos todas as condições financeiras para permanecer na prova até ao fim", asseverou.
Tomás faria admitiu, por outro lado, haver excesso de zelo por parte das autoridades sanitárias no que às exigências do cumprimento das medidas de segurança da Covid-19 dizem respeito.

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital