ECONOMIA & NEGÓCIOS

 
27 de November 2020 - às 17:38

REFINARIA DE CABINDA COM MAIS DE 900 MILHÕES DE DÓLARES

A Sonangol anunciou a imprensa,ter tomado,com o grupo GEMCORP,a decisão final de investimento para a construção da Refinaria de Cabinda,com as despesas situadas em 920 milhões de dólares.

 

A refinaria, construída na planície de Malembo, 30 quilômetros a Norte da capital de Cabinda, e o primeiro investimento privado desta natureza em Angola,empregando a mais recente tecnonologia norte-americana para o desenho, operação e desenvolvimento da empreitada em três fases.

Prevê-se que na primeira fase,o projecto atinja uma capacidade de processamento de 30 mil barris de petróleo por dia,com a empreitada a incluir a instalação de um dessalinizador, tratamento de querosene e infra-estruturas auxiliares,como um sistema de ancoragem de boia convencional, oleodutos e armazenamento para mais de 1,2 milhões de barris, em despesas que totalizam cerca de 220 milhões de dólares.

A segunda e terceira fases tornam a unidade numa refinaria de conversão total,com uma capacidade de refinação adicional de 30 mil barris por dia e a instalação de equipamento como um novo reformador catalítico,hidrotratador e unidade de craqueamento catalítico que deverão totalizar outros 700 milhões de dólares.

O documento afirma que a construção formal começou em março passado, com a limpeza e preparação total do terreno, obras concluídas em agosto, dando lugar a vedação do local, de 313 hectares com os itens principais de longo prazo a serem encomendados no início de novembro próximo. Espera-se que a Refinaria entre em operação no primeiro trimestre de 2022.

O projecto cria cerca de dois mil empregos directos e indirectos para a comunidade, além de gerar oportunidades de negócios locais e nacionais nas áreas da construção, engenharia, logística,segurança e administração, reza o comunicado que realça que uma vez operacional, a Refinaria também contribuirá para a segurança energética soberana de Angola, reduzindo a dependência na importação de produtos refinados bem como aumentando as exportações.

O Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins escreve no comunicado à imprensa que “esta decisão final de investimento representa um dos principais objectivos estratégicos do Governo angolano” adiantando também que as iniciativa privada apresenta não só um grande contributo para o desenvolvimento socio-economico de Angola  mas também um incentivo ao aumento do investimento directo estrangeiro no País.”

Por seu turno,o Presidente da GEMCORP, Atana Bostandjiev considera que o investimento privado da Refinaria de Cabinda demonstra o compromisso da companhia com o desenvolvimento de Activos estratégicos angolanos e a capacidade  de entrega da empresa nos momentos mais desafiadores.

De recordar que a GEMCORP, um grupo sediado em Londres, foi seleccionado para a construção e operação da Refinaria de Cabinda em Janeiro deste ano, tendo subscrito um contrato em que entra com 90 porcento do investimento, deixando o remanescente das despesas com a Sonangol.

Em Junho, as partes concordaram em adicionar um oleoduto ao projecto,  elevando os custos em 30 milhões de dólares.  

 

CONSULTA PÚBLICA PARA LICENÇA  AMBIENTAL

O estudo de impacto ambiental e social da Refinaria de Cabinda foi submetido a consulta pública no final de Outubro,na cidade de Cabinda, num procedimento do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente que aproxima o arranque da edificação da destiladora de hidrocarbonetos.

Depois da consulta pública,o passo seguinte do cronograma do projecto é a obtenção do Licenciamento Ambiental.

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital