SOCIEDADE

 
22 de junho 2018 - às 06:38

JORNALISTA ANGOLANO VENCE PRÉMIO DA IPI RAFAEL MARQUES: “HERÓI DA LIBERDADE DE IMPRENSA”

O jornalista Rafael Marques de Morais, que tem enfrentado décadas de assédio e processos jurídicos ao revelar a corrupção e os abusos de direitos humanos na sua Angola natal, foi nomeado o 70º Herói Mundial da Liberdade de Imprensa do Instituto Internacional da Imprensa (IPI), que anunciou igualmente  no  seu site de notícias, que o filipino Rappler  foi galardoado com o prémio Free Media Pioneer, de 2018, em reconhecimento à abordagem inovadora da internet para o jornalismo e o envolvimento do público, bem como a sua determinação em exigir responsabilidade às autoridades apesar dos ataques agressivos à sua actividade,

 

Ambos os prémios, que nos últimos quatro anos têm sido dados em parceria com o International Media Support (IMS) com base em Copenhaga, Dinamarca, serão apresentados durante uma cerimónia especial a 22 de Junho em Abuja, Nigéria durante o Congresso Mundial e Assembleia Geral anual do IPI.

O Prémio Herói Mundial da Liberdade de Imprensa do IPI homenageia jornalistas que deram uma contribuição significativa para a promoção da liberdade de imprensa, particularmente em situações de elevado risco pessoal.

Marques iniciou a sua carreira como repórter no jornal estatal Jornal de Angola em 1992, antes de ser demitido devido à sua determinação em desviar-se da linha traçada pelo então presidente angolano, José Eduardo dos Santos, que governou a antiga colónia portuguesa com mão de ferro entre 1979 e 2017.

Em 2008, depois de anos a escrever para meios de comunicação social independentes em Angola e de ter sido o autor de numerosos relatórios sobre violações de direitos humanos, Marques fundou o site de observação “Maka Angola”, que leva a cabo trabalhos de investigação sobre corrupção envolvendo líderes com posições de destaque nas esferas da política, negócios e militar de Angola.

Marques desencadeou a ira oficial pela primeira vez em 1999 quando publicou um artigo no semanário independente “Agora” descrevendo José Eduardo dos Santos como um ditador responsável por destruir o país e promover a incompetência e a corrupção. Pouco depois, Marques foi preso e acusado de difamação. Acabou por passar 43 dias em prisão preventiva antes de ser condenado a uma pena de prisão de seis meses em Março de 2000. Mais tarde, o Tribunal Supremo de Angola reduziu a pena para uma sentença suspensa.

Grande parte do trabalho de Marques tem-se concentrado na gestão cleptocrática dos recursos naturais em Angola, cujas vastas reservas de petróleo e minerais enriqueceram uma pequena elite governante enquanto milhões permanecem na pobreza. A sua obra mais conhecida internacionalmente, o livro “Diamantes de Sangue: Corrupção e Tortura em Angola” de 2011, detalhou alegações de homicídio, agressão, detenção arbitrária e deslocamento forçado de civis com relação à lucrativa indústria de mineração de diamantes do país. Depois que um grupo de altos generais angolanos mencionados no livro apresentou queixas, Marques recebeu novamente uma sentença suspensa de seis meses por difamação.

No início dos anos 2000, Marques também reportou de forma proeminente sobre corrupção e os alegados abusos militares na província de Cabinda, rica em petróleo, que abriga um movimento separatista de longa data. Mais recentemente, publicou o relatório “Killing Fields de Angola – Um relatório sobre execuções extrajudiciais em Luanda”. Marques tem enfrentado ameaças e assédio físico e verbal das autoridades durante toda a sua carreira.

A Diretora-Executiva do IPI, Barbara Trionfi, saudou Marques pela sua dedicação à procura da verdade em um ambiente implacável para a liberdade de imprensa.

“Apesar da repressão sistemática dos meios independentes em Angola, Rafael Marques tem conseguido – correndo grande risco pessoal – fazer incidir uma luz no abuso de poder ao nível mais elevado com coragem e persistência”, disse ela. “Através dos seus artigos, livros e pesquisa, o senhor Marques tem levado a cabo o tipo de jornalismo de vigilância que os meios controlados pelo Estado do país não conseguem concretizar, proporcionando um serviço essencial ao público Angolano e à comunidade internacional.”

Trionfi também deplorou um processo em andamento contra Marques, no qual ele e um colega, Mariano Brás Lourenço, enfrentam acusações de insultar uma autoridade pública sobre um artigo de 2016 que examina uma transação imobiliária envolvendo o então Procurador-Geral de Angola. O par enfrenta até quatro anos de prisão se for condenado. O caso tem levantado dúvidas sobre uma possível reforma democrática em Angola sob o governo do presidente João Lourenço, que sucedeu a José Eduardo dos Santos no ano passado.

“Angola deve acabar com o seu assédio ao senhor Marques e a todos os jornalistas em Angola”, observou ela. “Se o Presidente Lourenço leva a sério a mudança, ele deve permitir que meios críticos e independentes floresçam”.

“Estou profundamente honrado e agradecido”, disse Rafael Marques. “Sinto-me honrado porque este prémio vem num momento em que estou sendo julgado por expor corrupção de altas instâncias, enquanto o presidente Lourenço afirma estar lutando contra isso. No entanto, é inadequado receber um prémio internacional por fazer o trabalho básico de expor os males do meu próprio país a fim de corrigi-los para o bem comum ”.

Marques é o primeiro Herói Mundial da Liberdade de Imprensa do IPI de Angola, e o terceiro de língua portuguesa, depois do português Nuno Rocha e do brasileiro Júlio de Mesquita Neto. Licenciado pela Goldsmiths, Universidade de Londres e pela Universidade de Oxford, Marques recebeu anteriormente o Prémio Allard para Integridade Internacional e o Prémio de Coragem Civil da Fundação Train, entre outros prémios.

O prémio Herói Mundial da Liberdade de Imprensa de 2017 foi concedido ao jornalista e bloguer etíope Eskinder Nega, que passou quase seis anos na prisão sob acusações fraudulentas de anti-terrorismo antes de ser libertado em Fevereiro de 2018.

O International Press Institute (IPI) é a mais antiga organização mundial dedicada à promoção do direito à informação. Somos uma rede global de jornalistas e editores que trabalha para salvaguardar a liberdade de imprensa e promover a livre circulação de notícias e informação, bem como a ética e o profissionalismo na prática do jornalismo.  (International Press Institute) 

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital