LEITORES

 
28 de julho 2016 - às 07:45

CRIMINALIDADE VIVA NO “CAPALANGA”

Segundo se sabe, os locais de assaltos mais frequentes no Bairro Capalanga, os locais mais comuns em termos de assaltos são as cercanias da Universidade “Jean Piaget”, as feiras das roulottes existentes no bairro, as paragens do Imbondeiro e término dos autocarros, rua da Famosa, Lembelelé e junto ao armazém Prelex. 

 

O Bairro Capalanga, sito ao município de Viana, nos últimos tempos vem registando significativamente índices preocupantes no que toca à criminalidade. Segundo moradores, o cenário de criminalidade que o bairro enfrenta não é um facto novo, mas uma realidade que já se sente há algum tempo. “Normalmente a subida dos índices de criminalidade ocorre com frequência no período nocturno” e, muitas vezes os alvos dos meliantes na calada da noite “são estudantes, vendedeiras e trabalhadores” mas  estes últimos, além de serem alvos no período pós-laboral, no percurso trabalho-casa, “nalguns casos sofrem também assaltos no trajecto casa-trabalho, em plena luz do dia, tendo em conta a pouca frequência de transeuntes nas ruas”, constataram.

Entretanto, uma pequena radiografia sobre o estado da criminalidade no bairro, feita por um residente pode-se aferir que relativamente às faixas etárias dos meliantes, estas variam entre os 16 anos e idade até às idades mais avançadas. Grosso modo, os adolescentes utilizam algumas obras abandonadas no interior do bairro, para fazer consumo de drogas a qualquer hora do dia e, posteriormente, vão para as  ruas fazendo assaltos muitas vezes à mão armada. “ Tudo isso ocorre como se nada se passa de grave aqui na zona.Aliás, os moradores do bairro já estão habituados a ouvir tiros no período nocturno”, lamenta-se.

Um outro morador do Bairro Capalanga   avança que  existe mesmo uma espécie de criminalidade hedionda. Norberto Costa, jornalista, conta que foi  vítima de um assalto violento com a “assinatura” de um grupo de marginais, numa altura em que fazia o percurso trabalho-casa. Segundo ele, os criminosos apresentam comportamentos expressamente cruéis tanto do ponto de vista verbal como nas suas acções. Recorda que foi arremessado ao chão e espancado, levando cinco golpes  de garrafa nas costas e um na parte traseira do braço.

Relativamente aos pertences, a mesma fonte fez menção de acentuar que os marginais, em valores monetários, “levaram-me cerca de 20 mil kwanzas, a par de outros pertences como telemóvel, carteira onde continha o cartão de seguro de saúde e outros documentos pessoais”, bem como os sapatos e o blaizer que trajava, saco de pães e água mineral que comprara momentos antes de ser assaltado. Norberto Costa afirma ficar mais  indignado pelo facto de,mesmo não mostrando relutância ou resistência, a forma voraz e brutal conforme os meliantes procederam no momento do assalto. 

Segundo se sabe, os locais de assaltos mais frequentes no Bairro Capalanga, os locais mais comuns em termos de assaltos são as cercanias da Universidade “Jean Piaget”, as feiras das roulottes existentes no bairro, as paragens do Imbondeiro e término dos autocarros, rua da Famosa, Lembelelé e junto ao armazém Prelex. 

Pude constatar que a ausência de luz eléctrica, como um dos factores mais fortes na origem do aumento da Criminalidade, e de acordo com alguns moradores que vivenciam momentos críticos no seu quotidiano por falta deste bem indispensável, a  par de outros constrangimentos sociais que têm vindo a sofrer em tempos de crise generalizada. 

A ausência de patrulhamento policial regular no interior do Bairro é outro dos factores relevantes para que exista a actual situação, embora a divisão policial de Viana estar sedeada no interior do bairro. “É incomum ver patrulheiros a fazerem ronda no bairro, e quando chamados para intervenção numa situação, nunca aparecem na hora certa”, lamentam. 

 

Eduardo Ebo - Luanda

 

TIRADAS DA IMPRENSA

“O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer”.(…) “Se a minha Teoria da Relatividade estiver correcta, a Alemanha dirá que sou alemão e a França me declarará um cidadão do mundo. Mas, se não estiver, a França dirá que sou alemão e os alemães dirão que sou judeu”.

ALBERT EINSTEIN, físico alemão de origem judaica, naturalizou-se suíço e, posteriormente, norte-americano.

 

“Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor lembre-se: se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor com ele você conquistará o mundo”.(…) “Só há duas maneiras de viver a vida: a primeira é vivê-la como se os milagres não existissem. A segunda é vivê-la como se tudo fosse milagre”.

Ídem

 

“As feridas morais têm sempre essa particularidade: ocultam-se, mas não se fecham nunca; sempre dolorosas, sempre prontas a sangrar quando se lhes toque, conservam-se, porém, no coração, vivas e abertas. [...] Os homens verdadeiramente generosos mostram-se sempre indulgentes quando a desgraça do inimigo ultrapassa os limites de sua aversão”.

ALEXANDRE DUMAS, escritor francês (1802-1870)

 

BOCAS SOLTAS

“O Governo já encomendou mais medicamentos essenciais e outros materiais de uso corrente para melhoria da saúde pública em todas áreas do país, tendo já gasto mais de 10 milhões de dólares para o reforço da aquisição dos anti-palúdicos", assegurou o ministro da Saúde, Luís Gomes Sambo, em meados de Julho passado, no Huambo, durante um encontro que manteve com os membros do Governo, da Direcção Províncial da Saúde, chefes de Repartições Municipais do sector, directores de hospitais, médicos, responsáveis de ONG´s e de sindicatos dos trabalhadores de Saúde na província. Citado pela Angop,  Luís Gomes Sambo sempre foi considerado como um homem capaz, demasiado competente para arriscar a asumpção de cargos governamentais “menores” no país. Daí que esteve fora, muito longe do que se (des) fez por aqui. Mas, apanhado numa crise de absoluta decadência do sector  em “coma”, tem demonstrado que temos MÉDICO E BOM GESTOR. Existirão sempre cidadãos anónimos que terão uma palavra a dizer num mesmo ou noutro sentido de avaliação do quadro sanitário do país:

....................................................

“O que a malta tinha de fazer numa situação de crise quanto esta, é arranjar um bom depósito nacional de medicamentos com ramificações em todas as províncias. Qual reforço? Eu já ando de pé, graças à medicação tradicional. Um país sem aspirina, sem soro fisiológico, sem luvas para os médicos e enfermeiros fica como?”

....................................................

“O que falta nesse país é a responsabilização, incluindo a criminal, para quem ao longo de muito tempo é considerado como gestor. Ainda por cima num sector nevrálgico como a Saúde! Como é? Aqui a maka não é só exonerar. O que se passou no país com a epidemia da febre amarela é crime! 

....................................................

“O Dr. Luís Gomes Sambo tem as cartas dadas na arena internacional. Agora….aqui em Angola é que são elas! Encontrou tudo de rastos e será daqueles ministros que tem o telefone directo ligado com o do P.R. Não serão muitos, julgo eu. A coisa está mesmo grave. Nomeação acertada e já veio tarde”

....................................................

“Este país não se vai resolver nunca trocando de ministros no Executivo.Tem de haver aqui responsabilização. O ministro que, em dada altura, é considerado “incompetente”, “mau gestor” por culpa própria porque mexeu na massa, tem de ser chamado à pedra da justiça.

....................................................

“Coitado! Se calhar, ele aceitou sem saber exactamente o que se passa no sector. Agora, de um excelente médico e gestor , virou “bombeiro”. Acho que ele não deve estar a dormir descansado. Oxalá, que deixem o homem trabalhar, descobrir o que esteve mal, para cobrir as feridas da Saúde. Acho que não são de fácil cicatrização, tal é o buraco descoberto  nos cofres do Ministério....”.  

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital