SOCIEDADE

 
6 de março 2017 - às 12:39

CARNAVAL DANÇADO SOB O SIGNO DA DIVERSIFICAÇÃO

Assolados no país pela crise económica e financeira que atinge todos os sectores, os grupos carnavalescos puxaram da imaginação e criatividade e levaram à Nova Marginal de Luanda um manancial de mensagens exortando os angolanos a apostarem na produção diversificada para o alavancar da economia nacional. Em três dias de jornada, a Nova Marginal de Luanda testemunhou o resultado de um “esforço gigantesco” das agremiações carnavalescas que tudo fizeram para transmitir ao público e aos governantes o recado da necessidade de uma maior aposta na produção nacional como forma de tirar o país da dependência de importação dos bens essenciais. 

 

Num momento de crise que obriga a todos um apertar dos cintos e mesmo com poucos recursos à disposição, os colectivos carnavalescos se esmeraram e capricharam em todos os itens, uns melhores que os outros, confirmando que com chuva, sem chuva ou com dinheiro ou sem dinheiro a Nova Marginal de Luanda nunca ficará descolorida em época de Carnaval.

Durante três dias adultos e crianças passaram pela pista da Nova Marginal e espalharam o charme e o perfume do que melhor existe na cultura angolana, na também denominada maior manifestação cultural do País, reforçando a ideia da angolanidade e do sentido patriótico, não olhando a meios para participarem na festa.

No gingar do Semba, o salteado da dizanda e os compassados refinados da kazukuta, numa autêntica luta pela conquista dos prémios, os grupos passaram em revista o actual momento social e político do país, reforçando igualmente as mensagens sobre o combate à corrupção, a melhorias das condições nas escolas, hospitais, o registo eleitoral e, até houve quem decidiu homenagear, digamos, um concorrente: o União Etu Mudietu que prestou um tributo muito especial aos ilhéus.

Com olhares sobre a transição, os grupos investiram na entrada em cena de criança e adolescentes, bem como na indumentária, na canção e no compasso para, de modo individual, destacarem-se  e merecerem a atenção especial do corpo de jurado na hora da pontuação.

Uns melhores preparados que outros, em termos de coreografia,  indumentária e canção, os dançarinos do Carnaval brincaram, alguns choraram por não acreditar que depois de várias peripécias conseguiram atingir a meta e dançar o Carnaval, recordando os bons velhos tempos do Carnaval da Vitória.

Com as bancadas e tribunas praticamente cheias e com a Avenida Agostinho Neto-Nova Marginal de Luanda bastante colorida, os luandenses foram testemunhas da riqueza, da diversidade e do poder criativo de quem pensam no Carnaval como o melhor meio de valorizar, divulgar e preservar a cultura angolana. No decorrer da jornada, o semba foi o ritmo predominante em quase todos os grupos, com excepções dos kazukuteiros do Kabocomeu, Kazukuta do Sambizanga, Juventude do Capalanga, Njinga Mbande e Etu Mudietu que apostaram na Kazukuta, na Cabecinha e na Dizanda.

 

MUNDO DA ILHA DE VOLTA

À RIBALTA DO CARNAVAL DE LUANDA

Nove anos depois da sua última conquista, o grupo União Mundo da Ilha, do distrito urbano da Ingombota, ocupa a primeira posição do Carnaval de Luanda. 

O grupo, que conquistou 890 pontos, relegou para as posições seguintes o União Recreativo do Kilamba, União 54, União Kiela e União Jovens da Cacimba, respectivamente.

Com esta vitória, o União Mundo da Ilha aumenta o número de conquistas no Carnaval de Luanda com 12 títulos em 39 edições.

Os grupos União Twabixila, União Kazukuta do Sambizanga, União Etu Mudietu, União Povo da Samba e União 17 de Setembro foram relegados para a classe B, por terem ocupado os últimos cinco lugares da tabela classificativa.

 

GALERIA DOS VENCEDORES DO CARNAVAL DE LUANDA 

O grupo União Mundo da Ilha, do distrito urbano da Ingombota, continua a liderar a galeria dos vencedores do Carnaval de Luanda, com 12 títulos, depois da realização da 39ª edição

1ª            1978       União Operário Kabocomeu              Kazukuta               Sambizanga

2ª            1979       Feijoeiros do Ngola Kimbamba         Cidrália                 Inombota

3ª            1980       União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

4ª            1981       Feijoreiros do Ngola Kimbamba        Cidrália                Ingombota

5ª            1982       União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

6ª            1983       União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

7ª            1984       União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

8ª            1985       União Kiela                                        Semba                   Sambizanga

9ª            1986       União Kiela                                        Semba                   Sambizanga

10ª          1987       União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

11ª          1988       União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

12ª          1989       União Kiela                                        Semba                   Sambizanga

13ª          1990       União Kiela                                        Semba                   Sambizanga

14ª         1991        União 10 de Dezembro                      Semba                   Maianga

15ª         1992        Amazonas do Prenda                          Semba                   Maianga

16ª         1994        União Angola Independente               Semba                   Kilamba Kiaxi

17ª         1995        União Angola Independente               Semba                   Kilamba Kiaxi

18ª         1996        União Angola Independente               Semba                   Kilamba Kiaxi

19ª         1997        União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

20ª         1998        União 54                                             Semba                   Maianga

21ª         1999        União 10 de Dezembro                      Semba                   Maianga

22ª         2000        União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

23ª         2001        União Kazukuta do Sambizanga        Kazukuta              Sambizanga

24ª         2002        União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

25ª         2003        União 10 de Dezembro                      Semba                   Maianga

26ª         2004        União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

27ª         2005        Unidos do Caxinde                            Semba                    Ingombota

28ª         2006        União 10 de Dezembro                      Semba                   Maianga

29ª         2007        União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

30ª         2008        União Mundo da Ilha                         Semba                   Ingombota

31ª         2009        União Kiela                                        Semba                   Sambizanga

32ª         2010        Unidos do Caxinde                            Semba                    Ingombota

33ª         2011        União sagrada Esperança                   Semba                    Rangel

34ª         2012        União Jovens da Cacimba                  Semba                   Maianga

35ª         2013        União Njinga a Mbande                     Cabecinha             Viana

36ª         2014        União Sagrada Esperança                   Semba                   Rangel

37ª         2015        União Sagrada Esperança                  Semba                    Rangel

38ª         2016        União Njinga a Mbande                     Cabecinha             Viana

39ª         2017        União Mundo da Ilha                         Semba                    Ingombota

 

A edição de 1993 não foi realizada devido ao conflito armado que eclodiu no país depois da publicação dos resultados das eleições de 1992.

 

BRASIL

PORTELA VENCE CARNAVAL 2017

A grande campeã do Carnaval do Brasil 2017 foi a Portela, que quebrou um jejum de 33 anos sem vencer, e conquistou o seu 22º campeonato, fazendo da escola de Madureira a maior campeã do Rio de Janeiro. A Portela competiu décimo a décimo com a segunda colocada, a Mocidade Independente de Padre Miguel, que também não chegava ao pódio desde 1996, e ficou atrás por apenas um décimo de diferença. O resultado final só foi definido no último quesito, o de enredo, fazendo da apuração uma das mais emocionantes das últimas décadas. Foi o retorno das duas grandes e queridas escolas do país ao maior panteão do samba. O enredo que falou sobre os rios, “Quem nunca se arrepiou ao ver este rio passar”, deu a Paulo Barros, o carnavalesco-sensação revelado na Unidos da Tijuca, o seu quarto título. Assim como na Tijuca, Paulo Barros imprimiu a sua marca de inovação e de arroubos de criatividade e modernizou os desfiles da Portela, sem deixar de lado as suas tradições

Este ano, o carnaval do Rio de Janeiro foi, infelizmente, ofuscado pela ocorrência do maior número de trágicas fatalidades e incidentes em desfiles no Sambódromo, envolvendo problemas em carros alegóricos, que deixaram trinta e duas vítimas. Na primeira noite de desfiles, um carro da Paraíso do Tuiuti perdeu o controle e atingiu vinte pessoas, que foram atropeladas e imprensadas na grade que separa a pista da arquibancada. Já na segunda noite, o colapso do teto do carro “New Orleans” da Unidos da Tijuca resultou em vinte atendimentos médicos, doze feridos, dentre os quais nove foram levados a hospitais e dois tiveram de ser internados. Os tensos momentos até o carro ser libertado para seguir adiante e cumprir aceleradamente a sua obrigação de cruzar a Avenida fizeram com que muitos componentes ficassem em estado de choque, perplexidade e abatimento, sem a empolgação e a energia de alegria inerente ao carnaval.  

A série de incidentes incluiu ainda um carro da União da Ilha, que colidiu com o estúdio da TV Globo e um da São Clemente, que sofreu um princípio de incêndio. Cinco pessoas continuam internadas em decorrências dos acidentes com carros na Marquês de Sapucaí. As autoridades competentes e órgãos reguladores informaram que conduzirão as devidas investigações e que irão agilizar a criação de regras de padronização e medidas de segurança mais rígidas na construção dos carros alegóricos. 

Por decisão da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, prévia ao resultado das colocações, a última colocada do Grupo Especial (que viria a ser a Paraíso do Tuiuti) não seria rebaixada, em virtude dos tristes episódios que se abateram contra as agremiações citadas. Este ano, foi estipulada a redução no tempo de desfile de cada escola, para apenas 75 minutos, sete a menos que os anos anteriores, o que fez reduzirem o número de alas em até 400 componentes, dependendo das escolhas de cada escola. Esta nova regra tornou o desfile mais compacto, dinâmico e enxuto.

Angola marcou forte presença no Carnaval do Rio e foi homenageada por três escolas: União da Ilha, que teve o seu enredo dedicado ao país; Vila Isabel, que teve Luanda no refrão do seu samba e citou as influências negras na gênese dos gêneros musicais nas três Américas; e a Portela, que, no seu enredo sobre rios famosos, teve uma ala que representava o Rio Kwanza. A dança angolana também apareceu na comissão de frente da Vila Isabel, que exibiu técnicas da dança afrovibe, mistura de zumba com movimentos contemporâneos, graças ao talento do angolano Giovani, que foi a fonte inspiradora para a concepção das coreografias.

No carnaval da maior crise financeira de recursos e patrocínios, não faltou criatividade para driblar a escassez e substituir tecidos e materiais caros, como plumas e penas de faisão e pavão. A originalidade dos carnavalescos e comissões de carnaval fez com que a execução e a exuberância visual dos desfiles não ficassem comprometidas. Para isso, recorreram a diversos truques e soluções para improvisar, utilizando produtos mais econômicos como materiais sintéticos, penas de acetato, tule, boias de piscina, muita palha e, até, bandejas descartáveis de docinhos (usados no abre-alas da Vila Isabel). Foram também reaproveitadas penas de faisão de outros carnavais. 

A crise econômica que assola o Estado do Rio de Janeiro afetou diretamente o desfile de 2017, que enfrentou a maior dificuldade financeira dos últimos trinta anos. A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro destina a cada escola de samba do Grupo Especial seis milhões de Reais, além da receita oriunda das vendas de ingressos e direitos autorais das transmissões televisivas.

Mas um desfile luxuoso e digno de concorrer ao campeonato não sai por menos de dez milhões de Reais. Os aportes que antes eram feitos pela Petrobras, de cerca de um milhão de Reais a cada escola, não foram feitos, devido à imersão da estatal brasileira em denúncias da Operação Lava-Jato.

Outro fator que pesou na redução de patrocínios, segundo as autoridades, foi a realização das Olimpíadas no Rio ano passado. Muitas empresas destinaram a suas verbas a campanhas de marketing e para a Rio 2016, deixando de investir no carnaval deste ano.

A demanda pela compra de camarotes e ingressos também foi abaixo do normal. Alguns dos mais famosos camarotes das grandes cervejarias, que levavam centenas de celebridades e convidados VIP, foram extintos.

No Rio Samba e Carnaval, um espaço de 2.000 m2 que recebe 360 pessoas por noite, um ingresso não saía por menos de RS 5.200,00, 20% mais barato que o ano passado.

1º LUGAR: PORTELA - Desde 1984 sem conquistar um campeonato, a Portela entrou bonita e disposta a brigar pelo título de campeã.

O badalado carnavalesco Paulo Barros apresentou o enredo sobre rios, que além de obviamente exaltar a suas propriedades, se inspirou também nos seus aspectos culturais, a sua fauna e as civilizações que se formaram à beira de rios de água doce, fez tributo a Oxum, além dos seres míticos que supostamente habitam os rios, como dragões e a Iara, a sedutora sereia. 

   Este ano, Barros incorporou ao azul e branco da escola, cores como o lilás, o rosa e o dourado. Tuas alas descreviam os mais importantes rios do mundo, como a “Casa do Sol”, como são conhecidos os rios sagrados dos Incas, o Rio Kwanza, em Angola, o Rio Amarelo, na China, os rios Tigres e Eufrates, na Mesopotâmia, o Nilo, no Egito, e o Rio Paraguai.

Leo Senna esteve pela primeira vez à frente da comissão de frente da Portela, e concebeu uma ótima idéia, com integrantes vestindo uma criativa indumentária de espumas de água e peixes articulados. Os componentes subiam, num tripé que continha um tanque com galões de água, que reproduzia o mar e o efeito da piracema, no qual os peixes nadam subindo contra a correnteza para se reproduzirem. O conceito produziu uma bela imagem, na estética característica de Paulo Barros.

Passou também a sua mensagem de engajamento ecológico, alertando para o desperdício e o consumo consciente da água e, com tom crítico, o carro “Um rio que era doce” de forte expressão dramática com uma escultura que jorrava  litros de lama, denunciava a tragédia de Mariana em 2015, no Brasil, onde rompeu-se uma barragem, resultando  em óbitos e no maior desastre ambiental do país, com volume total de rejeitos de mineração despejado de 62 milhões de metros cúbicos.  A lama que chegou ao Rio Doce devastou o seu ecossistema, e estima-se que os seus danos serão sentidos por mais de cem anos.

A ala que chamou mais atenção foi a dos crocodilos americanos, com homens vestidos de jacarés, que se baixavam e rastejavam em reprodução realística que arrancou olhares de encantamento. A ala falava dos mananciais da Jamaica, onde habita a espécie.

Logo após o tripe da comissão de frente, a tradicional escola de Madureira trouxe a sua famosa águia-símbolo com asas de LED em um impactante abre-alas dourado, e a roupa do principal destaque desta alegoria jorrava água vinda de mangueiras acopladas. Outro carro de destaque foi o da gigantesca cobra Boíuna, em que dezesseis canoeiros ribeirinhos apareciam remando de dentro de seus painéis laterais, num efeito surpresa revelador.

 

2º LUGAR: MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL

 Após amargar a décima colocação em 2016, ficando fora do desfile do Sábado das campeãs, do qual não participava há catorze anos, a Mocidade retornou aos seus áureos tempos, em que o carnavalesco Renato Lage rendia títulos à escola, com ares futuristas para a época. E com o enredo “As Mil e Uma Noites de uma ‘Mocidade’ prá lá de Marrakesh”, a escola de Padre Miguel proporcionou uma viagem ao oriente e à cultura árabe, com enfoque no Marrocos, trazendo alegorias com cópias dos mercados árabes e de suas arquiteturas típicas, os encantadores de serpentes, as riquezas do solo marroquino, os minérios de sua economia, os sultões, os miranetes das mesquitas, o Saara.

A comissão de frente impecável trazia bonecos que pareciam reais carregando odaliscas em cestos, mas a grande surpresa foi o impressionante vôo do Aladdin sobre a Sapucaí em um tapete (um aeromodelo que, na realidade, carregava uma imagem de alta resolução do componente que interpretava Alladin, enquanto este evoluía em uma caixa na Avenida), que levou o público ao delírio, assim como boa reação de surpresa dos jurados. Milhares de olhares mesmerizados e celulares em punho registravam o mágico momento, que, com certeza, ficará gravado na memória do imaginário popular por anos a vir.

 

3º LUGAR: ACADÊMICOS DO SALGUEIRO - Apesar de não ter entrado com favoritismo ao título, o Salgueiro esbanjou empolgação, surpreendeu e passou bem, obtendo boas notas dos jurados.

Com o enredo “A Divina Comédia do Carnaval”, tinha por objetivo “carnavalizar a arte”, e abordou com bom humor o profano e a eterna disputa entre o bem e o mal, mesclando o universo do carnaval brasileiro com os elementos e personagens que povoam o universo da Divina Comédia de Dante Aliguieri, começando pelo inferno, passando pelo purgatório até chegar ao paraíso. 

O início do desfile foi dominado pelos tons predominantes de vermelho, marca da escola, o amarelo e o laranjas das chamas, como sugere um verso do samba-enredo “tinge essa Avenida de vermelho”, e que após a transição pelo purgatório, cederam lugar a cores mais abertas até culminar no branco do Céu. Da vista aérea, as alas mais compactas e as paletas de cores formaram um belo espectro visual. 

A comissão de frente teatralizada trouxe demônios, uma medusa, e um boneco de diabo de cinco metros em tripé. Também houve trocas de figurinos, fazendo a transformação dos demônios- com o uso de capas dupla-face-em arlequins, para mostrar o processo de purificação.

Os sete pecados capitais também apareceram em alas da escola e o samba-enredo puxado por um trio de intérpretes funcionou na Avenida e os seus componentes vibraram, pularam e cantaram o samba, ecoando pela Sapucaí, fazendo um coro emocionante com os intérpretes. A escola distribuiu ao público tiaras de diabinhas, que animou os foliões a torcer pela escola.

 

4º LUGAR: ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA - Campeã do ano passado e bicampeã do troféu de Melhor Escola do Grupo Especial do Prêmio Estandarte de Ouro concedido pelo jornal carioca O Globo, a Estação Primeira de Mangueira saiu sob gritos de “É campeã”, e era tida como uma das favoritas ao título. Este ano, escolheu um enredo religioso, que sempre tem grande apelo. “Só com a ajuda do santo” falou, com alto-astral, da relação de devoção do povo brasileiro (que apela proteção a uma abrangente diversidade de santos) com o sagrado e a comunhão de simbolismos divinos. Foram exaltados a fé, o sincretismo religioso que impera no Brasil, as romarias, os padroeiros do Brasil, os orixás, as orações, as capelas, as procissões, os milagres atribuídos a santos e as festas dedicadas aos santos como o Círio de Nazaré, A Folia de Reis e a Festa do Divino Espírito Santo.

O jovem carnavalesco Leandro Vieira esbanjou criatividade e abusou de penas sintéticas, que criaram um belo impacto visual. A sua comissão de frente deslumbrante, com um caminhão antigo de tripé e uma trupe de saltimbancos encenando um espetáculo, trouxeram um saudosismo romântico.

O abre-alas “Um desejo no altar” possuía belas esculturas de imagens de vários santos: Santo Antônio, Santa Teresinha, São Jorge.

No entanto, a escola enfrentou problemas com o carro onde estava Alcione, que empacou e  fez com que se formasse um enorme buraco perto das cabines dos julgadores, que deram as notas 10; 9,9; 9,8 e 10. Também perdeu décimos importantes nos quesitos harmonia, fantasias, comissão de frente e bateria.

 

5º LUGAR: ACADÊMICOS DA GRANDE RIO - Detentora de três vice-campeonatos, ainda não obteve o tão almejado título, mas trouxe um carnaval riquíssimo estimado em gastos de 11 milhões de reais, com fartura de luxo, profusão de cores vibrantes, acabamentos refinados, carros alegóricos gigantescos e um samba-enredo acelerado de refrão pegajoso que “levantou poeira”.

A escola prestou homenagem a Ivete Sangalo, contando a sua trajetória de vida e profissional de vinte anos de carreira da cantora. Seguindo a ordem cronólogica, começou pela sua origem nordestina humilde na cidade de Juazeiro, passando pela sua ida à Bahia e ao Rio de Janeiro, desde os seus anos na Banda Eva até a enorme consagração na carreira solo. O enredo tratou também das lendas e tradições religiosas das cidades de Juazeiro, Petrolina e  Salvador e emocionou o público.

Ivete, ou Veveta, como é carinhosamente chamado por seus fãs e amigos, veio como integrante da comissão de frente- um ineditismo na história de enredos biográficos- com extremo comprometimento e dedicação, incendiando a Sapucaí. Apenas um dos quatro julgadores deste quesito deu a nota 9,9, enquanto os outros três, deram nota dez (mas a menor nota é sempre descartada).

A comissão de frente foi, assim, o ponto alto do desfile, em que houve trocas de figurino- recurso inaugurado pela comissão de frente da Unidos da Tijuca no enredo “É Segredo”- simbolizando a transição de lavadeira ribeirinha humilde à consagrada artista Ivete.

Após dançar empolgadamente a coreografia por repetidas vezes, ela correu por fora da Avenida para retornar ao último carro, de onde saiu ovacionada pelos fãs e foliões.

Ivete fez questão de colaborar e participar de todas as etapas produtivas, desde o desenvolvimento do enredo, até conversas com historiadores, carnavalesco e diretores. Frequentou o barracão e ensaios da escola, e deu sugestões nas alas e figurinos, como por exemplo a adoção de bebês de plástico carregados nas saias das baianas.

Os membros da Bateria “Invocada” ostentavam um magnífico cocar imitando os integrantes da Timbalada, com camisas com fios de LED e alas trouxeram o Olodum com os seus abadás.

 

6º LUGAR: BEIJA-FLOR - A terceira maior campeã do carnaval carioca (possui treze títulos, atrás somente da Mangueira, com 19, e da Portela, com 21), trouxe este ano o enredo “ A Virgem dos Lábios de Mel- Iracema”, um tributo relevante ao romance “Iracema”, sobre a história de amor de José de Alencar entre a jovem virgem índia e o colonizador Martim.

Defendeu o campeonato com muita emoção e, numa decisão ousada, rompeu com as tradições ao revolucionar o modelo estrutural dos desfiles, optando por vir sem a divisão em alas convencionais, mantendo apenas a bateria, a das baianas, passistas infantis e a velha-guarda e 400 pessoas em alas tradicionais, 

O restante se apresentou em “cenas” ou grupos cênicos, que faziam coreografias de adaptações de trechos do romance, provocando um diferente efeito dramático. Esta mudança de paradgimas, no entanto, não agradou os jurados, que deram notas baixas nos quesitos Fantasias (9,7;9,9;9,9 e 9,8), uma vez que as alas tinham membros com trajes variados.

Apesar da habitual tendência ao grandiosismo (o tripé de abertura possuía uma escultura de oito metros de Iracema) e esbanjando a riqueza nos detalhes de sempre (foram feitas 4.000 malhas “segunda-pele” usadas por todos os integrantes da escola), este ano a Beija-Flor abandonou o seu próprio padrão estilístico e investiu numa simplicidade mais rústica e honesta, com menos luxo e ostentação, como se pôde verificar no figurino dos célebres Mestre-Sala Claudinho e Porta-Bandeira Selminha Sorriso (que empunham a bandeira da Beija-Flor desde 1996) sem cristais e nenhum aplique de brilho.

A sua comissão de frente continha jangadas operadas por controle remoto, o barco típico do Ceará- cenário do romance- que balançavam como ondas do mar. Encenava-se ali a primeira e a última página do romance “Iracema”.

A direção de harmonia foi entregue à própria comunidade, que ficou encarregada da responsabilidade deste quesito.

O samba-enredo, vencedor do Prêmio Estandarte de Ouro do jornal O Globo, cresceu na Avenida e empolgou com o indefectível talento de Neguinho da Beija-Flor, mesmo sendo menos acelerado que os das concorrentes. 

 

7º LUGAR: IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE - A Imperatriz Leopoldinense apresentou o seu enredo “Xingu, o clamor da floresta”, com muita seriedade e respeito à cultura indígena e levou índios reais para desfilar na Avenida, como o famoso Cacique Raoni.

O enredo fez uma defesa da terra das dezesseis etnias que residem no Parque do Xingu e da preservação da sabedoria das lideranças tribais e dos costumes dos povos da floresta.

Reconstiuiu a usual cobiça e avanço do homem branco escravizador e explorador das riquezas, com a sua ação predatória e construções de hidrelétricas. 

O desfile causou polêmica e especulações já meses antes, por fazer uma suposta crítica ao agronegócio, com alas que simbolizavam os agrotóxicos e as motosserras.

A comissão de frente tinha um enorme tripé em formato de oca, que se abria num belo efeito que revelava a coroa-símbolo da escola, na qual se acoplavam os índios.

Mais uma vez, a escola honrou a reputação de fazer desfiles técnicos e perfeitos, de evolução impecável e linguagem de fácil entendimento.

Alguns de seus destaques foram as alas compostas por personalidades que abraçaram com paixão a causa indígena e a presença de Luiza Brunet, que foi a Rainha de Bateria da escola por vários anos, como destaque representando a beleza indígena.

 

8º LUGAR: UNIÃO DA ILHA DO GOVERNADOR - A Ilha do Governador, que nunca conquistou o título e foi a penúltima colocada em 2016, mas que possui sambas marcantes na história do Carnaval e habituada a apostar em enredos lúdicos não-históricos, este ano acatou pedidos da diretoria de fazer um enredo afro, que foi muito bem acolhido. 

Esta mudança na imagem da escola com o enredo “Nzara Ndembu – Glória ao Senhor Tempo” agradou e lançou uma verdadeira abordagem sociológica/antropológica sobre os rituais ancestrais de Angola como as danças, as rezas e as comidas. Este olhar retratou uma África mais tribal, exuberante, orgulhosa do poder de suas tradições, que formaram a identidade angolana.   

Foram realizados trabalhos de pesquisa em Angola para que se falasse sobre as suas ancestralidades com propriedade.

A escola já adentrou saudada por uma Sapucaí lotada, com garra e canto forte de seus componentes e teve boa recepção do platéia. 

Em um desfile coeso e bem-sucedido, contou a história do rei do tempo Kitembo- o Deus do tempo dos povos bantos em Angola- e as manifestações das forças da natureza: o Sol, as chuvas, a água, os trovões, o fogo. Na elaboração desta premissa, falou sobre os senhores sagrados, os povos bantus, os guerreiros dos campos, a tradição oral, as árvores africanas sagradas, os rituais das colheitas, a diversidade da terra, o respeito às mulheres sábias, o poder mítico e curador das águas, as oferendas, o kimbundu e línguas do povo angolano.

A comissão de frente de Carlinhos de Jesus- eleita a melhor pelo júri do Prêmio Estandarte de Ouro do jornal O Globo- sua primeira comissão de temática afro, tinha o Rei de Angola com uma saia de mais de oito metros de diâmetro que se abria simbolizando o mundo, com os seus guardiões. O figurino da porta-bandeira do segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira era feito de plumas nas cores da bandeira angolana.

O carnavalesco Severo Luzardo, que preza bastante o estudo das cores, usou muitos tons de dourados e bronzes no início do desfile, e cores vibrantíssimas ao longo da evolução, em figurinos que exibiam exímio capricho e luxo. 

O imenso abre-alas trouxe o palácio de marfim do Rei da criação do tempo, com uma imponente escultura de dezoito metros de altura, o equivalente a um prédio de seis andares. Algumas de suas partes chegaram a demorar quatro meses para serem esculpidas.

O samba-enredo (cujo trecho era: Quando o Sol beijou a Lua/Viu no Céu inspiração/ Matamba soprou/ O vento levou para Angola reinar/ Plantou o amor/ A árvore da vida é a vida que dá”) menos acelerado do que a tendência atual, funcionou e empolgou.

A bateria utilizou atabaques para lembrar a África, que foram tocados ao longo de todo o desfile. Ganhou o Estandarte de Ouro de Melhor Bateria e só tirou uma nota 9,9 entre os quatro jurados.

 

9º LUGAR: SÃO CLEMENTE - O enredo era "Onisuáquimalipanse" (Envergonhe-se quem pensar mal disso), mas podia muito bem se chamar “Qualquer semelhança com o Brasil é mera coincidência”. O enredo causou imediata empatia devido ao tema que constrói um paralelo com a situação brasileira, com o efeito de um jogo de espelhos. Fazia-se verdadeira alusão em tom de crítica velada e bem-humorada com pitadas de deboche ao atual panorama político e institucional do país, assolado por extrema crise de credibilidade da classe política, em que corruptores e corrompidos envolvidos em negócios escusos, saqueiam o dinheiro público. 

A sua história fala de um príncipe de um país distante, depois coroado jovem rei, que recorre ao auxílio de um advogado para organizar as suas finanças pessoais e do seu país. Mais tarde, o nomearia Ministro. Este, por sua vez, foi amealhando fortuna proporcional ao seu extenso poder, se tornando grande patrocinador das artes, sempre cercado de poetas, teatrólogos, pintores, para os quais pagava uma espécie de mesada com dinheiro público (numa referência explícita ao esquema de pagamento de propinas do “Mensalão” a políticos do Brasil, que ocorreu durante anos recentes no Brasil, e que se tornou prática comum entre os governantes de quase todos os partidos políticos e membros da classe empresarial em busca de favores mútuos). Ao descobrir os esquemas secretos do tal Ministro, o Rei ficou furioso e ordenou a sua prisão.

Foi um desfile correto, que transcorreu em imensa tranquilidade, sem falhas nem correria. A célebre carnavalesca Rosa Magalhães, que reinou por anos na Imperatriz Leopoldinense, reconstruiu, com a sua indefectível marca de luxuosidade, os costumes e hábitos das nobrezas francesas e de Luís XIV, os eus palácios, símbolos e trajes, as grandes festas e bailes de máscaras de carnaval das cortes, o apreço pelo teatro, as honrarias, as perucas da época, os jardins palacianos e seus paisagismos.

 

10º LUGAR: UNIDOS DE VILA ISABEL - O samba-enredo da Unidos de Vila Isabel foi um dos mais elogiados deste ano (embora tenha levado 9,8 de um jurado) com a sua melodia agradável, que levantou a arquibancada e os componentes, que o entoavam com empolgação. O seu refrão dizia: “ Ôô, Kizomba é a Vila/ Firma o batuque no som da cor/ Valeu Zumbi, a lua no céu/ é a mesma de Luanda e da Vila Isabel”.

O carnavalesco Alex de Souza deu vida ao enredo sobre a herança africana  e sua influêcia na música das Américas, extremamente rico em referências históricas, e ao mesmo tempo divertido que proporcionou um desfile de muito frescor, descontração e de belas homenagens.

Falou sobre os reis africanos e a sua ida ao Novo Mundo, ao chegar às três Américas e como os escravos negros driblaram as convenções dos brancos para estabelecer a sua cultura e germinar, com a sua rica diversidade rítmica, as sementes de vários gêneros musicais, do jazz ao reggae ao rock. 

As alas faziam paralelos entre as atividades econômicas rurais que eram desempenhadas pelos negros, e o legado  de ritmos deixados por eles em cada país das Américas. No Caribe, ao trabalhar em plantações de tabaco deixaram os mambos, congas e rumbas. Na Jamaica, o reggae, e a bateria fez bossas de reggae para acompanhar. Outra ala mostrou as relações entre a negritude e a cumbia colombiana. Na América da Norte, os negros cantavam canções de trabalho nos campos de algodão que desembocou nos blues. Os Estados Unidos também foram o berço da disco music- e as suas roupas características dos anos 60 e 70- assim como o rock n’ roll e seus solos de guitarra.

Em seguida, foram apresentadas as tarefas que os negros escravizados executaram ao chegar no Brasil- como a exploração do ouro- e o início do sincretismo religioso brasileiro, quando os negros se devotavam a santos católicos para poderem cultuar os seus orixás.

As influências deixadas pelos negros no Brasil foram muitas: o jongo, o samba, o chorinho. Todos tiveram as suas gêneses em raízes negras, fundidos com elementos locais.  O axé da Bahia e o Olodum, também homenageados no enredo da Grande Rio, foram lembrados e, por fim, os próprios sambas de enredo.

A comissão de frente teve dança afro, uma espécie de fusão de zumba com movimentos contemporâneos, acompanhada de um belo tripé em formato de máscara tribal do designer cenotécnico Marimba. O angolano Giovani e a sua original técnica de dança  foram as inspirações para a adoção da dança afro vibe abrindo o desfile, que tem pegadas fitness.

O carro do navio negreiro tinha por objetivo mostrar a alma do negro, e não apenas os seus sofrimentos e percalços. Já o lúdico carro número quatro fez ode à Black Music, com artistas interpretando Ray Charles, Stevie Wonder, Tina Turner, os Jackson Five e Michael Jackson, com a atuação do seu artista cover mais reconhecido.

A alegoria da Kizomba fez uma releitura do icônico primeiro campeonato conquistado pela Vila, em 1988, e tinha Martinho da Vila, o compositor do samba campeão, sentado como rei.

O funk e o rap também não foram esquecidos. Os ritmistas da bateria incorporaram  trajes típicos desta tribo urbana, com tênis piscantes e grandes bonés.

 

11º LUGAR: UNIDOS DA TIJUCA - O desfile da Unidos da Tijuca será lembrado com pavor e tristeza. Logo no início, ocorreu o segundo acidente do Carnaval do Sambódromo do Rio de Janeiro. O terceiro andar do casario de mais de três metros do carro número dois “Nova Orleans” desabou, fazendo doze vítimas que foram socorridas e retiradas em macas por bombeiros, sendo que duas ficaram em estado grave com traumatismo craniano e abdominal, e uma delas teve de passar por cirurgias.     

  Num dos começos mais traumáticos e tumultuados da história do Carnaval, o carro ficou parado em frente ao Sector 1 com ambulâncias ao seu redor realizando atendimentos, e atravancando e comprometendo a organização e fluidez do desfile, causando enormes “buracos”. O carro acabou por não entrar em sua devida ordem no desfile, a escola ficou totalmente estagnada por vinte minutos e a comissão de frente teve de estender a sua coreografia por muitos minutos extras. O carnavalesco Mauro Quintaes, um dos integrantes da comissão de carnaval, declarou que suspeita que uma “fadiga” de ferro usada na estrutura do carro alegórico tenha provocado a queda de integrantes do carro. 

Uma das agremiações mais festejadas da última década e que conquistou críticos e torcedores, perdeu o título em 2016 para a Mangueira por apenas um décimo. Mas este ano, chegou à dispersão com medo do rebaixamento. No fim, não foi tão penalizada quanto se esperava, até mesmo no quesito evolução, no qual eram esperadas notas baixíssimas devido ao atravancamento da escola e a correria geral durante todo o resto do desfile, (tirou 9,8;9,9;9,7 e 9,7) nem por alegorias e adereços, no qual deram-se as notas 9,7;9,8;9,9 e 9,8, mesmo com o carro New Orleans totalmente desfigurado.

   Neste Carnaval, os carnavalescos Mauro Quintaes, Annik Salmon, Marcus Paulo e Hélcio Paim prepararam um enredo em homenagem à música norte-americana: “Música na alma, inspiração de uma nação”. A base do enredo é um encontro real ocorrido entre Louis Armstrong e Pixinguinha, em 1957, e a partir daí, condensou-se a trajetória da variedade de gêneros Norte-Americanos desde o blues, a música country, passando pela disco music e o rock n’roll. A criativa comissão de frente representava jukeboxes humanas e o belo abre-alas “Da Guerra à identidade musical” retratou a guerra civil americana com Abraham Lincoln de destaque, para mostrar o início de sua musicalidade a partir deste período.

 

12º LUGAR: PARAÍSO DO TUIUTI - A Paraíso do Tuiuti, que retornou à elite das doze escolas que compõem o Grupo Especial, abriu os desfiles de 2017 com o enredo “Carnavaleidoscópio Tropifágico”. De fácil leitura e leve abordagem, mesmo recheado de referências culturais às artes plásticas, música, literatura e poesia que fizeram parte do Movimento Modernista Brasileiro de 1922, e que, logo após, deram origem ao Tropicalismo. As alas fizeram tributos a Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Glauber Rocha, Caetano Veloso, Gilberto Gil, entre outros artistas.

   A campeã da Série A de 2016 desfilou sob chuva fina, que chegou a prejudicar levemente as pinturas corporais da comissão de frente de Jaime Aroxa, compostas por índios dançantes e um tronco de pau-Brasil, que teve como destaque a fusão de doze corpos formando uma enorme arara humana, representando a “viagem lisérgica” do descobridor português.

   O samba-enredo com contagiosa melodia entoado por Wantuir, e a ótima bateria com bossas e paradinhas foram outros pontos altos do desfile da Tuiuti.

   Um impressionante acidente de um carro desgovernado, que fez uma manobra brusca no Setor 1 da Sapucaí, tirou a alegria do desfile e resultou em vinte pessoas feridas, algumas socorridas em estado grave com fraturas expostas, após serem imprensadas na grade da arquibancada. O carro também atravessou torto por todos os módulos dos julgadores, e foi submetido à perícia policial na dispersão. 

 

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital