DESPORTO

 
22 de julho 2019 - às 08:08

BRUNO FERNANDO E A ENTRADA NA NBA - A EXPLICAÇÃO OPORTUNA DE LUÍS COSTA

 

Com a devida autoridade que se lhe confere como uma dos mais prestigiados jornalistas desportivos angolanos, Luís Costa, hoje radicado nos Estados Unidos da América, apresentou , num rico post publicado no facebook, uma peça onde recorda, de forma brilhante, o percurso trilhado por vários basquetebolistas angolanos, até se atingir este importante feito de Bruno Fernando, que acaba de entrar neste mundo fantástico que é a NBA. Ele explica por quê, as vantagens financeiras que o jovem teraá Eis o texto:

 

REVISITANDO O DRAFT DA NBA- "Quem tomar as Summers Leagues (Ligas de Verão) como referências para dizer que alguém já está na NBA, então tem que concluir que Bruno Fernando não é o primeiro a fazê-lo. Em 2007 Olímpio Cipriano fez as Summers Leagues pelos Detroit Pistons mas foi cortado.

Três anos antes, (2004) Gerson Monteiro, na altura com 31 anos, tinha conseguido chegar mais longe: fez a pré-temporada pelos San Antonio Spurs. Foi cortado uma semana antes do arranque oficial da Liga, justamente quando as equipas são obrigadas a declarar os plantéis para a temporada.

Em 2013, aos 27 anos de idade, Carlos Morais também teve a mesma sorte. Fez a liga de verão, mas foi cortado. Morais vinha sendo observado desde 2002, por Ujiri Masai o qual durante muitos anos foi olheiro de equipas da NBA. Foi pela mão dele, nessa altura (2013) já como VP para as operações de basquetebol dos Raptors, que CM fez a liga de verão desse ano.

O draft basicamente garante à equipa que escolher um jogador direitos sobre o mesmo. [Arvidas Sabonis foi selecionado pelos Portland Trail Blazers em 1986. Apenas juntou-se à NBA em 1995 e teve que o fazer pela porta desta equipa a qual detinha os direitos sobre ele).

O draft é meio caminho andado, pois de outra forma seria um desperdício para as equipas, já que o draft é uma montra única. Ao contrário dos outros três angolanos, Bruno tem a seu favor, vários anos de basquetebol americano.(ensino médio e universidade.)

Seja como for ir ao draft não é uma garantia. Espero ardentemente que Bruno Fernando se mantenha nos Hawks e que isso dê mais exposição ao basquetebol angolano, hoje por hoje muito mal . O meu passado de jornalista desportivo leva-me ao seguinte: os três angolanos que precederam Bruno Fernando tinham contra si, o facto de que nos anos em que se fizeram à NBA, havia muitos bases e extremos “baixos” a concorrerem para as mesmas posições. (Os americanos eram mais altos e mais novos do que os angolanos). 

O draft da última quinta-feira tem uma particularidade: 

No primeiro round, (de 1 a 30) apenas foram selecionados três “postes” de raíz. (Atlanta Hawks -Nr 8) , Indiana Pacers Nr 18 e Brooklyn Nets Nr 27). 

O jogador selecionado pelos Atlanta Hawks, Jaxson Hayes foi transferido na mesma noite para os Pelicans de New Orleans. Não me perguntem porque o fizeram mas uma das razões na perspectiva dos Pelicans podem ser os três cêntimos de diferença entre os dois. Os Hawks poderão ter outra perspectiva : Jaxson Hayes, 2.11 cm, 99 kg, (10 pontos, 5 ressaltos e 0.3 assistes por jogo) na última temporada no colégio, escolhido na posição Nr 8, ficaria sempre mais caro do que qualquer jogador escolhido no segundo round que é o caso de Bruno Fernando (2.08 cm , 108 kg), 12 pontos, 8.7 ressaltos e 1.4 assistes por jogo.

A tabela salarial para rookies (caloiros) fixada pelo contrato colectivo de trabalho, reserva ao jogador seleccionado na posição Número 8 o seguinte:

 

Primeira  época $ 4,046,500

Segunda época $4,248,800

Terceira época $4,451,100

Na quarta época o clube tem a opção de renovar ou declinar o contrato. Se renovar o jogador terá direito a um incremento salarial de 27.2% (Fonte Real GM).

No segundo contrato, o qual tem a duração de cinco anos, o direito de renovar ou declinar o contrato aplicado ao fim do quarto ano, reverte para os jogadores.

Escolhido no segundo round (posição 34) Bruno Fernando habilita-se a um contrato de 800mil/900 mil ano. Um estudo da NBC Sports revela que nos dois últimos anos, 22 dos 30 jogadores seleccionados no segundo round receberam contratos de dois anos, a uma média 815 mil dólares por ano. Vou torcer para que Bruno Fernando, cuja equipa universitária jogava a meia hora da minha casa, chegue lá, faça a transição para a liga mais importante do mundo e que pelo meio faça algum dinheiro para ele. Boa sorte Bruno". (Luís Costa). 

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital