África

 
02/10/2016 05:50:34

GABÃO: ESTRATÉGIAS POLÍTICAS INCORRECTAS

A violência instalada depois das eleições no Gabão sugere resultar de discursos públicos hostis e de estratégias políticas mal pensadas por parte dos líderes do regime e da oposição. A tese da nacionalidade semeou o descrédito da oposição conduzida por Jean Ping (48,23%), enquanto prisões e perseguições aos adversários diminuíram a confiança dos eleitores na liderança de Ali Bongo (49,80%) 

02/10/2016 05:48:56

CABO VERDE: "CHOQUE DE GERAÇÕES" CRIA EMBARAÇOS NO PAICV

A perca do poder, pelo PAICV, em Cabo Verde, obrigou a um "lavar de roupa" suja que se acumulou devido ao muito tempo no poder, o que está a obrigar várias sensibilidades do Partido a exigirem uma Conferência Nacional para se definir nova estratégia de actuação de uma força política que se não se organizar rapidamente, pode adormecer durante anos na oposição. Para já, depois da derrota nas eleições autárquicas recentemente realizadas, Janira Hoffer Almada, Presidente do PAICV sentiu-se culpada do desaire e colocou o seu cargo à disposição

02/10/2016 05:42:10

CONGO DEMOCRÁTICO: CONFRONTOS SANGRENTOS CONTRA ADIAMENTO DE ELEIÇÕES

Em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo, eclodiram, na última quinzena de Setembro, confrontos violentos em função da perspectiva que se abre para o adiamento das eleições presidenciais inicialmente previstas para Novembro do corrente mas só podem vir a acontecer em Dezembro de 2017. Em causa, uma contestação ruidosa à intenção de Joseph Kabila, actual Presidente da República pretender continuar a liderar o País à revelia da Constituição que o impede de concorrer para mais um mandato presidencial.

É uma situação complicada, que já originou centenas de mortos, objectivos públicos e privados destruidos e indícios de uma ameaça à Paz, não só no País mas com tendencias a se alargar para os países vizinhos, mormente Angola que partilha  com a República do Congo uma extensa fronteira comum

02/10/2016 05:39:17

GUINÉ-BISSAU: ACORDO À MARTELO PARA UMA PAZ QUE TARDA

Um acordo cozinhado à martelada por alguns países africanos parece dar folego para a comunidade Internacional acreditar que está encontrada solução para uma Paz definitiva e duradoura na Guiné-Bissau, um País lusofono que observadores dizem que parou no tempo.

No País, os melhores conhecedores dos meandros da crise, estão cepticos quanto a Paz que 

se costurou mas, mesmo assim, aguardam com expectativa o desenvolvimento dos próximos capítulos de uma crise que parece não querer ver o seu fim

02/09/2016 07:13:09

SUDÃO DO SUL: NOVO CONFLITO COM MOTIVAÇÃO ECONÓMICA

Em declarações públicas na altura, o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, tinha recebido com muitas reservas os acordos de paz de 26 de Agosto 2015. 

Depois dos recentes confrontos armados havidos em Julho, em Juba (Sudão do Sul), os actos assumidos pelo regime e pela rebelião lançam suspeitas, criando a impressão de que os acordos estavam predestinados a gerar novos conflitos

Interesses económicos fundamentam o divórcio entre a ex-rebelião e o presidente do governo de unidade nacional. Salva Kiir reformulou a divisão administrativa do território. Ex-rebeldes, que controlam zonas ricas em hidrocarbonetos, não afastam a opção militar para derrubar o actual regime.  

Ao nomear o influente ex-rebelde Taban Deng Gai para o cargo de vice-presidente e demitir alguns ministros do governo de unidade nacional, o chefe de Estado, Salva Kiir, aprofundou as divisões no seio da rebelião e atiçou o interesse desta pela ressurreição armada.  

02/09/2016 07:10:51

MOÇAMBIQUE: FALTA DE VONTADE POLÍTICA PARA A PAZ

O historiador alemão radicado em Moçambique Gerhard Liesegang defende que o país africano está refém da tradição de um modelo de governação centralizado, apontando a falta de vontade política como o principal problema nas negociações para a paz

28/07/2016 08:13:13

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: AFINAL, EVARISTO CARVALHO AINDA NÃO É PRESIDENTE

Evaristo de Carvalho,o candidato da Acção Democrática Independente, de Patrice Trovoada, ainda não é o Presidente da República de S,Tome e Príncipe em função dos resultados saídos das recentes eleições presidenciais. Inicialmente, a Comissão Nacional Eleitoral deu-lhe como vencedor do pleito com 50,1% dos votos mas dois dias depois voltou atrás alegando falta de contagem dos votos em algumas circunscrições, o que, depois de contados apurou-se que será necessário uma segunda volta para se saber quem vai governar, como Presidente da República, nos próximos cinco anos.

28/07/2016 08:10:30

REPÚBLICA CENTRO AFRICANA QUASE INGOVERNÁVEL

O fim da transição, em Fevereiro, com a eleição de um chefe de estado, Faustin Touadéra, deixou impunes grupos armados extremistas na República Centroafricana. Estes controlam algumas zonas do território, sobretudo em Bangui, a capital. A onda de escaramuças cresce. A ONU suspeita nova escalada no país. O governo reclama levantamento do embargo às armas a fim de adquirir meios bélicos para liquidar os insurrectos.

28/06/2016 08:04:51

ESTABILIDADE AINDA DISTANTE NOS GRANDES LAGOS

Enquanto a liderança dos Grandes Lagos reitera o compromisso de neutralizar rebeliões, os insurrectos da FDLR e ADF lançam, na véspera da cimeira de Luanda, acções armadas no Leste da RDCongo. Trata-se de uma mensagem política com a finalidade de assinalar a ideia de que os rebeldes devem ser tidos em conta quando se pretende estabilizar a região e lançar projectos de desenvolvimento. 

31/05/2016 07:29:06

MOÇAMBIQUE: “DÍVIDA ESCONDIDA” IMPULSIONA DIÁLOGO GOVERNO/RENAMO

A delicada situação económico-financeira criada ao Estado pela suspensão quase generalizada de créditos e doações internacionais, em especial as ajudas orçamentais tem vindo a transformar-se no factor de pressão para o relançamento do diálogo Frelimo e Renamo fundamentalmente para se deixar de viver num clima de "paz podre"

31/05/2016 07:27:52

GUINÉ-BISSAU: CRISE COM PRÓXIMOS CAPÍTULOS

Já se abriu o caminho para um governo de coabitação Nacional na Guiné Bissau mas até ao fecho da nossa edição não se havia encontrado consenso quanto a figura que deverá liderar o Governo que deve ser maioritariamente constituído por membros do PAIGC, o partido vencedor das últimas eleições. O anterior primeiro-Ministro foi Carlos Correia, um histórico do PAIGC demitido pelo Presidente José Mário Vaz o que fez acender as lamparinas para a crise que se arrasta e que preocupou tanto a Sociedade civil guineense como a comunidade internacional que continua a olhar para aquele país lusofono com grande preocupação

31/05/2016 07:26:42

RDCONGO JOSEPH KABILA “TEME” UM HOMEM DE NEGÓCIOS

Em Kinshasa, o regime faz tudo para sabotar o acesso de Moisés Katumbi, favorito da opinião pública, ao cargo de Presidente da Pepública, segundo a versão da imprensa, do advogado e da oposição. 

Mal anuncia a intenção de concorrer às presidenciais, Moisés Katumbi, político e multimilionário congolês, é chamado pela justiça acusado de contratar mercenários norte-americanos. 

A consumar-se a “liquidação” política de Katumbi, pode Joseph Kabila contornar a constituição e suceder-se a si próprio? Para certas fontes, talvez um novo conflito civil venha a ser a resposta

02/05/2016 07:51:10

CONGO-BRAZZAVILLE NGUESSO MATA O PROCESSO DE RECONCILIAÇÃO

As eleições deixam a nu a fragilidade do regime de Denis Sassou Nguesso. Proclamado vencedor, o general Denis usou aviões militares para bombardear um inimigo quase invisível que as eleições de 20 de Março produziram. A oposição reclama dizendo que as bombas e as balas visam mais civis do que um exército inimigo concreto. No meio da instabilidade crescente, pensadores congoleses sugerem um governo de unidade nacional para salvar o Congo-Brazzaville. Mas tal fórmula parece estar longe das intenções de Nguesso  que aproveitou os incidentes com as milícias “Ninjas Nsiloulous” para afastar Frédéric Ntumi Bintsamou (Pastor Ntumi) do cargo de conselheiro, interrompendo assim um processo de reconciliação nacional tímido iniciado em 2003

28/02/2016 14:23:38

HISSÈNE HABRÉ, EX-PR DO TCHAD ENTRE PRISÃO PERPÉTUA E FALTA DE PROVAS DE ACUSAÇÃO

Mesmo com requerimento de prisão perpétua lavrado pelo procurador Mbacké Fall, o julgamento de Hissène Habré gera a sensação de dificuldades da acusação em produzir provas materiais para incriminar o ex-chefe de Estado do Tchad. Uma comissão tchadiana de inquérito aos arquivos da extinta polícia política (DDS) exibiu documentos, mas sem assinatura do ex-chefe de estado. A sentença está prevista para 30 de Maio por crimes contra a humanidade: pelo menos 40.000 assassinados entre 1982 e 1990. Defensores das vítimas apoiam-se nos depoimentos; os de Habré desvalorizam acusações sem provas materiais e qualificam o tribunal de parcialidade

30/01/2016 16:48:14

POR UM CABO VERDE DIFERENTE

Cabo Verde possui uma extensa zona marítima que ultrapassa os 1.200.000 Km2 e está inserido, geograficamente, numa zona de intensa confluência marítima e aérea – o terço médio do atlântico - com elevado peso estratégico devido à circulação de navios, aeronaves, pessoas e a sua privilegiada relação com a costa africana – distante cerca de quinhentos quilómetros e com os continentes europeu, asiático e americano

1 2 3 4 5 6 7 8

Copyright © Figuras & Negócios - Todos os direitos reservados strong>

Contato
Home
Acervo Digital